Casa pequena é igual coração de mãe: enorme

Minha atual situação é dar aquele #google: "Como colocar tudo e mais um pouco em uma singela residência de #35m²?"

Uma experiência cativante

Em uma palestra sobre madeira engenheirada (madeiras que sofrem um processo industrial de tratamento e colagem para atingir níveis garantidos de resistência mecânica), além de falar sobre o material, a palestrante comentou um pouco sobre como era o seu cotidiano trabalhando com o dimensionamento das estruturas deste material.

Uma ideia


“[....] eu decidi canalizar essa vontade para um case”

Depois dessa palestra, senti um enorme desejo de trabalhar nessa área, de otimizar a construção planejando tudo previamente, de ter um viés sustentável nos projetos. Mas enquanto não pinta nada e até para ter experiências para contar, se surgir a oportunidade de uma entrevista, eu decidi canalizar essa vontade para um case. A princípio imagino que um projeto arquitetônico é um bom ponto de partida, então comecei a desenhar, mas não sem me desafiar um pouco mais! Optei por fazer uma residência:

  • funcional (de acordo com o perfil de um jovem casal que planeja se casar)

  • de construção econômica (no início da vida a vida é sempre curta, né?)

  • com metragem aproximada de 35m² (Baseado em uma estimativa do valor do m² e quanto cabe no bolso)

  • com uma planta expansível (vai que no futuro um quarto a mais se faz necessário)


Um início


Alguns (muitos) esboços me levaram à planta que escolhi para levar para o SketchUp e decorar. Eu queria ter certeza de que agradaria aos "clientes" e também de que todo o necessário caberia no espaço (é aqui que você percebe que uma cama talvez não seja tão necessária assim [brincadeirinha] ).

A planta acima é a versão mais recente do projeto arquitetônico (sem expansão), mas ainda está inacabada. Os próximos desenvolvimentos da versão reduzida incluem a criação de um espaço ao ar livre para receber os amigos e familiares e a finalização do projeto de interiores da lavanderia, bem como a definição das fachadas e inclusão das esquadrias.


Um desafio


O processo de criação é sempre desafiador e ter pouco espaço demanda o planejamento de cada centímetro para nos certificarmos de que há espaço para tudo o que importa aos futuros moradores. Mesmo este sendo um case fictício, escolhi personalidades reais que assumiram o papel de "clientes" e suas vontades e necessidades são imperativas dentro do processo de criação.

Por exemplo, inicialmente eu não havia considerado a necessidade de escritórios dentro da casa, mas refletindo sobre a possibilidade deste casal continuar a trabalhar no sistema de home office, foi decidido abrir espaço para, não só um, mas dois escritórios, de modo que um não atrapalhe o outro na hipótese de ambos estarem em reunião ao mesmo tempo.


Olá, que bom ver você por aqui!

Sou Isabelle de Campos e esse é o meu espaço para mostrar como eu vejo e vivencio a engenharia civil.

Fique por dentro de todos os posts

  • Instagram

Compartilhe a sua opinião

© 2021 por Maria vai sem as outras. Orgulhosamente criado por Isabelle de Campos